Título: Serraria Baixo-Astral
Título Original: The Miserable Mill
Autor: Lemony Snicket
Ano: 2002
Páginas: 176
Editora: Seguinte
Sinopse: Na opinião de Lemony Snicket, "de todos os volumes que contam a vida infeliz dos órfãos Baudelaire, Serraria baixo-astral talvez seja o mais triste até agora". Alto-Astral é o nome da serraria que serve de cenário para as novas calamidades que Klaus, Violet e Sunny serão obrigados a viver. Trata-se de uma "ironia do destino", pois ali, no meio daquelas árvores derrubadas, daquelas enormes toras de madeira, o que as três crianças vão encontrar é mais uma coleção de coisas horripilantes, tais como uma gigantesca pinça mecânica, bifes do tipo sola de sapato, uma hipnotizadora e um homem com uma nuvem de fumaça no lugar da cabeça. A vida dos Baudelaire é mesmo muito diferente da vida da maioria das pessoas, "a diferença principal estando no grau de infelicidade, horror e desespero"...Diante desse quadro, algum leitor desavisado pode desconfiar: "Como é que alguém vai se divertir com um livro desses, se as personagens não param de sofrer?!". A pergunta faz sentido, mas é justamente aí que descobrimos um dos melhores segredos de Lemony Snicket, pseudônimo do americano Daniel Handler. Ele leva o exagero às raias do absurdo, faz o realismo perder feio para o mais deslavado faz-de-conta e o resultado não poderia ser outro: um jogo literário incessantemente bem-humorado. 

*Exemplar cedido pela editora 

Lemony Snicket
se esforça e consegue entregar um quarto volume bem diferente, porém ainda há uma série de repetições que tornam a leitura de Desventuras em Série bem maçante.


Lembram que na resenha de "O Lago das Sanguessugas" eu peguei no pé de Snicket por ele seguir uma mesma fórmula em todos os livros? Então, em "Serraria Baixo-Astral" as coisas finalmente mudam! Pela primeira vez na trama há a presença de um vilão que não seja o Conde Olaf ou algum membro de sua trupe e também foram adicionados novos antagonistas. Por mais que a presença de Phil, Senhor e Charles seja temporária (duvido muito que eles apareçam futuramente na série), ela trouxe frescor para a história e fez sumir por bastante tempo aquela sensação de "mais do mesmo" que estava me incomodando muito no volume anterior.

Contudo, nem tudo são flores. O autor insiste o tempo todo em nos dizer que Violet gosta de inventar coisas, Klaus gosta de ler e Sunny de morder. Caso fosse a primeira vez que ele nos dissesse isso, eu não iria me incomodar. Mas Lemony já nos diz isso desde as primeiras páginas de "Mau Começo"!

Outro mau hábito dele é o de dizer o significado de algumas palavras que já estamos carecas de saber o que elas significam. São pequenas coisas, mas quando paramos para pensar, percebemos que pelo menos 40% de cada livro da coleção é dedicado para o autor saciar seus "vícios de escrita" e nos abarrotar com essas informações desnecessárias. Sendo assim, o pequeno erro de Snicket se torna enorme e crítico - palavra que aqui significa "esse erro está me incomodando ao ponto de eu querer abandonar Desventuras em Série de uma vez por todas".

"Ele não tem um lado bom", disse uma mulher."Bem, bem", disse Phil. "Todo mundo e todas as coisas têm um lado bom. Vamos indo, pessoal, vamos jantar." - página 30

Tirando isso, "Serraria Baixo-Astral" consegue se sair bem em comparação ao seu volume antecessor. Há uma boa dose de ação no livro, os momentos finais da trama são recheados de tensão e reviravoltas, e aqui as coisas começam a (finalmente!) fugir do óbvio.

Com altos e baixos, consegui chegar ao quarto volume da série. Restam nove, mas sinto-me na obrigação de dizer a vocês que eles vão demorar a serem lidos e resenhados. Preciso de uma boa pausa para poder voltar com mais paciência na hora de acompanhar as desventuras em série dos Baudelaire.


Nota: 





Desventuras em Série: 

Mau Começo 
A Sala dos Répteis  
O Lago das Sanguessugas 
Serraria Baixo-Astral 
Inferno no Colégio Interno 
O Elevador Ersatz 
A Cidade Sinistra dos Corvos 
O Hospital Hostil 
O Espetáculo Carnívoro 
O Escorregador de Gelo 
A Gruta Gorgônea 
O Penúltimo Perigo 
O Fim


Não, eu não morri. Desapareci apenas por motivos de: reta final no meu curso (isso inclui: escrever TCC, provas, seminários...). Mal estou tendo tempo para respirar e quando sobra um tempinho, a única coisa que quero é descansar. E são nesses momentos de descanso que costumo ouvir música e encontro pauta para o "Solta o som aí". Acabo sempre conhecendo uma banda bacana e fico com isso na cabeça: "Tenho que falar deles no blog"

A banda de hoje (que tenho ouvido MUITO ultimamente) é a K.A.R.D. Eles são da Coréia do Sul e se diferenciam da maioria dos grupos de K-Pop por serem um grupo misto (O K.A.R.D. é composto por dois garotos e duas garotas). Outra coisa muito bacana do grupo é o fato dele ter uma forte ligação com o baralho (cada membro tem uma carta/naipe próprio). E o mais legal de tudo: logo mais eles estão vindo para o Brasil (mais informações nesse link: http://www.hwstar.com.br/2017/03/kard-no-brasil-saiba-todas-as.html) aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Só mais uma coisa: como eles (até agora) só lançaram três músicas, resolvi colocar dois vídeos bônus para o post não ficar tão curto. O primeiro é um reacting do grupo ao videoclipe da música "Bumbum Granada" (ESTOU RINDO ATÉ AGORA DISSO) e o outro é eles tentando dançar "Onda Onda (Olha a Onda)" (ESTOU RINDO ATÉ AGORA DISSO TAMBÉM).

Pequena biografia (retirada do Wikipédia):
K.A.R.D (Hangul: 카드, estilizado como K♠RD) é um Co-ed group (Mixed Group)sul-coreano formado pela DSP Media em 2016. O grupo é composto atualmente de quatro membros: J.Seph, B.M, Somin e Jiwoo. Eles lançaram um single de pré-estreia titulado "Oh NaNa" em dezembro de 2016, com a colega de empresa Youngji como integrante oculta. K.A.R.D lançará mais dois singles de pré-estreia, logo em seguida ocorrerá sua estreia oficial. 

Solta o som aí: 





Vídeos bônus: 




E aí, curtiram? =)


Título: O Lago das Sanguessugas
Título Original: The Wide Window
Autor: Lemony Snicket
Ano: 2001
Páginas: 192
Editora: Seguinte
Sinopse: O misterioso autor das Desventuras em Série não só alcançou a lista de best-sellers infanto-juvenis do New York Times, como conseguiu entrar em todas as outras principais referências de vendagem americanas. Com sua estranha franqueza, na contracapa deste livro ele manda um recado a seus possíveis leitores:
Caro leitor, Se você ainda não leu nada sobre os órfãos Baudelaire, é preciso que antes mesmo de começar a primeira frase deste livro fique sabendo o seguinte: Violet, Klaus e Sunny são legais e superinteligentes, mas a vida deles, lamento dizer, está repleta de má sorte e infelicidade. Todas as histórias sobre essas três crianças são uma tristeza e uma verdadeira desgraça, e a que você tem nas mãos talvez seja a pior de todas. Se você não tem estômago para engolir uma história que inclui um furacão, uma invenção para sinalizar pedidos de socorro, sanguessugas famintas, caldo frio de pepinos, um horrendo vilão e uma boneca chamada Perfeita Fortuna, é provável que se desespere ao ler este livro. Continuarei a registrar essas histórias trágicas, pois é o que sei fazer. Cabe a você, no entanto, decidir se verdadeiramente será capaz de suportar esta história de horrores. Respeitosamente, Lemony Snicket

*Exemplar cedido pela editora

Com O Lago das Sanguessugas, começo a me preocupar com os rumos que Desventuras em Série irá seguir e mais: começo a me perguntar se vou continuar querendo ler os livros.


Acredito que toda e qualquer pessoa, em um determinado momento da vida, passe a odiar rotinas. A sensação de saber que tudo vai se repetir e ser igual no dia seguinte (e no outro e no outro e no outro...) desanima qualquer ser humano. Tal situação está acontecendo comigo e Desventuras em Série, onde (após ler o terceiro volume) tive a sensação de que tudo está se repetindo.

Me pareceu que Lemony Snicket está usando uma mesma forma para todos os livros (o que torço fortemente para que seja somente uma impressão minha). E que fórmula é essa? É bem simples: Os Baudelaire conhecem seu tutor; vivem uns (poucos) momentos agradáveis com ele; Olaf aparece para arruinar suas vidas; eles tentam desmascarará-lo o tempo todo; ninguém (principalmente o Sr. Poe) acredita; até que nas últimas páginas o Sr. Poe acredita, mas Olaf escapa.

"É comum as pessoas, quando estão infelizes, quererem fazer outras pessoas infelizes também. Mas isso nunca ajuda." - página 69 

Foi absolutamente desse mesmo jeito nos três livros que li e o pensamento de que o os próximos também serão assim me assusta. Sou uma pessoa que odeia previsibilidade e repetições, portanto não tenho a menor paciência para ler algo que será praticamente igual a outro.

Claro que a escrita debochada e pessimista de Snicket me agrada e Violet, Klaus e Sunny são uns fofos, mas não estou com vontade de os acompanhar em mais DEZ desventuras completamente parecidas com as três que já li.

"As lágrimas são uma coisa curiosa, pois, assim como os terremotos e os camelôs, podem surgir em qualquer momento, sem nenhum aviso e sem um bom motivo." - página 73

Mas/Porém/Contudo/Entretanto/Todavia, darei uma última chance para Snicket e lerei Serraria Baixo-Astral. Caso o sentimento de repetição/rotina perdure neste quarto livro, darei uma pausa na série.

Ah, peço desculpas por não ter falado nada sobre o livro nesta resenha, mas é que não tenho nada para falar. Não gosto de contar o enredo das obras que resenho e minha opinião/elogios para o livro resenhado em questão são os mesmos presentes nas resenhas de Mau Começo e A Sala dos Répteis. E antes que me perguntem, a redução da nota é devido ao fato desta repetição de fórmula ter me incomodado.


Nota:




Desventuras em Série:  

Mau Começo 
A Sala dos Répteis 
O Lago das Sanguessugas 
Serraria Baixo-Astral 
Inferno no Colégio Interno 
O Elevador Ersatz 
A Cidade Sinistra dos Corvos 
 O Hospital Hostil 
O Espetáculo Carnívoro 
O Escorregador de Gelo 
A Gruta Gorgônea 
O Penúltimo Perigo 
O Fim